sexta-feira, 31 de outubro de 2008

In God we trust.

Também conhecido como o motto americano, essa frase é como o "Deus seja louvado" das notas de reais. Cada lugar tem um, os romanos tinham como motto o imponente 'Senatus Populesque Romanus', nós paulistanos tempos como motto o 'Non ducor, duco'. Se o objetivo fosse chegar em alguém e explicar quem é esse tal de Deus, pra alguém que não soubesse a existência, nem sequer ouvisse falar. Como fazer?

O que é Deus? A definição cristã vem da própria bíblia, e inclusive aqui somente farei relações com o cristianismo pra enfatizar o ponto em que quero chegar. É aquele que é onipresente, onisciente e onipotente. Para alguém ter tanto poder assim, deve no mínimo estar em algum lugar e ser visível, ser tocado e tudo mais.

Partimos a partir desse ponto. Confuso? Claro. Mas vamos debulhando e tentar chegar a uma resposta aos poucos.

Não vemos 'Deus'. Não conseguimos atravessar a rua e falar 'E aí God, fmz?'. Nossa sociedade é educada para sempre crer e procurar algo superior, com a penalidade que caso você não seja uma boa pessoa pague por isso no fim da vida. Como se Deus fosse uma velha fofoqueira que fica a espreita só esperando o momento de você cair para ao invés de dar a mão, começar a rir de você.

O que é de fato o 'In god we trust', ou traduzido como 'Em deus nós cremos' é o ponto de partida para acharmos onde e quem é esse tal de Deus. O que é crer? Crer tem suas origens latinas, credo, que significa confiar, ter por verdadeiro. Se Deus é algo que não existe, porque cremos em algo que não podemos dizer que está logo na esquina? Dar um voto de confiança em algo que não podemos ver nem tocar. Se entregar aquilo que é de alguma forma uma abstração humana.

Mas é exatamente aí que nasce a resposta. Ao menos foi uma delas que eu consegui achar.

Crença é ter algo como fato positivamente verdadeiro. Não posso chegar por exemplo e fazer vocês acreditarem que sou um pato, pois vocês já deram como fato verdadeiro eu ser um ser humano. Se Deus existe é porque nós damos a ele a sua existência como ser. Poderia ser qualquer coisa, como a Laranja Alada, Uno, Shiva ou algo do tipo. Temos a crença de que aquilo que sentimos, aquilo que de alguma forma conforta nossos corações no momento de ajoelharmos e fazermos uma oração vir de algo superior, de Deus, o conceito.

Deus, o ser, está sempre lá. Nós apenas damos um nome pra ele, e isso em várias partes do mundo. Se ele de fato não existisse, será que existiriam 2.1 bilhões de cristãos, 1.8 bilhões de seguidores do islã, e outros tantos que de acordo com ateístas são constantemente enganados? Não acredito nisso. Pessoas sentem Deus, não precisam vê-lo com seus olhos para acreditarem. Essa sensação por sua vez dá o crédito existencial de Deus existir. Se pessoas deixarem de crer nele, não darão mais um voto de verdade, e ele deixará de existir, assim como muitas coisas que a história do mundo não sabemos, mas existiu.

Se damos o atributo de verdadeiro para aquilo que sentimos como Deus, logo existe um credo nisso, uma crença. Admitimos sua presença e trazemos para nossa realidade, tornamos 'Deus' não apenas uma palavra, mas um objeto de devoção, que embora não possamos ver sabemos que existe. E ele só existe pois cremos nele. E somente cremos nele pois tornamos real sua existência, trazendo para nossa vida. E só podemos tornar real sua existência se de fato essa coisa existir. E, na minha opinião, ele existe. Embora eu não seja nem católico, nem evangélico, nem dos Santos do Últimos Dias.

Uau. Isso me lembra aqueles diálogos platônicos.

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog