quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Emoção, impregnada como algo inseparável.

Antes de mais nada, se alguém vier falando dos meus gostos musicais vai se ver comigo, hahaha... Diga-me o que tu ouves que eu lhe direi quem és. =P Menos é claro, se você for um produtor musical. Mas mudando de assunto, bem...

Emoção é algo subjetivo na música? Algo que está entre o limiar da compreensão que não pode ser medido? Sei lá... Eu penso bastante que a música continua, e continuará evoluindo nada durante muitos anos ainda pela frente. Mas as coisas que estão nas entrelinhas ainda existem e prevalecem.

Estou lendo atualmente Os miseráveis, e sim... Eu sei que é escrito por um francês e eu como de praxe, odeio esse povo porco, embora todos nesse Brasil os adorem e os venerem. Mas tem partes que eu demorei bastante pra ler pois tinham sentimentos muito impregnados, eram coisas difíceis de ler pelo fato de emocionarem e nos prenderem até demais. Estou ouvindo também Janis Joplin. E antes que alguém comece a dar risada, eu ainda sou fã do The Doors. Sim, ouço alcoolátras, drogados e melancólicos, haha...

Janis canta mal pra caramba. Desafina, tem uns gritinhos que muitos cantores mais que amadores da karaokê fazem (leia-se, eu). Tem uma voz bem irritante, mas ao mesmo tempo é tida como uma das maiores lendas do róqui em rôu. Na sua vida foi uma Amy Winehouse dos anos sessenta. Morreu de overdose de heroína com alcool. Tirando isso é mais do que venerada, e acho que só depois de ouvir é que talvez entendamos.

É como um texto que escrevemos com paixão, sabe? O sentimento fica impregnado, e mesmo que sejam palavras, transmitem coisas que não são bem vistas. Seja amor, seja ódio, tristeza. Vide a letra e canção de "Cry, baby" de Joplin. Não se precisa de lyrics pra entender que aquele sentimento que se ouve na música não é à toa. De fato a cantora estava se sentindo daquele jeito e passou isso de uma forma muito única. E ficou.

Acredito sim, se dedicar-se com emoção e empenho consegue sim transmitir até além do que você quer. Muitas das músicas romanticas, poemas e contos romanticos são escrito por corações abandonados e sofredores que passam todo aquele misto de emoções com palavras. Pode não ser elaborado, pode não ser simples. Mas de qualquer forma ao se ler aquilo de alguma forma nos toca, e nos faz sentir diferentes.

Afinal nada é tão forte como um sentimento sincero, correcto?

Pelos menos acho isso. E não adianta cantores meramente comerciais tentarem imitar isso, afinal tal amor e paixão vem exatamente do sentimento sincero. Talvez seja por isso que vejo alguns cantores já consagrados usando as letras escritas por pessoas que ainda estão lutando pra ter um espaço. Afinal é com elas que muitas das emoções fluem, e é nesse fluidez que recebemos benção vindas da nossa habilidade de amar e sermos amados.

E vivas para Platão.

 Janis Joplin - Cry Baby

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog