sexta-feira, 12 de junho de 2009

da Alegria.

Dar risadas é uma coisa praticamente humana. Rimos quando alguém se dá mal, ou algo dá errado. É algo que foge da ética dos seres humanos - os nipônicos por exemplo condenavam veemente - exatamente por essa questão. Porque rimos, a não ser meramente por instinto?

Bebês nascem chorando, mas aprendem a rir sozinhos. Riso e choro são duas coisas que estão distantes e ao mesmo tempo muito ligadas. Vendo bem são os únicos sentimentos do ser humano, o resto é como cores secundárias - são apenas misturas. Choramos quando rimos ou estamos triste. O próprio som do choro é confundido também com o riso. A tristeza parece sempre caminhar pertinho da alegria.

Muitas pessoas riem no pânico. Quando tudo dá errado, começam a rir sem cessar. Momentos mais tarde é incrível, passado os primeiros instantes de euforia eles parecem estar mais concentrados e em muitos casos resolvem a questão ali mesmo, dependendo do problema, óvbio. Rir nos faz descontrair, e sem a contração conseguimos pensar mais facilmente, ajeitar melhor as idéias. Eu francamente nunca tentei isso, mas sei que funciona.

Rir também é um exercício excelente pro coração, pro pulmão e pra saúde. Pra cabeça também.

Porém acredito que uma das coisas mais prazerosas da vida é fazer alguém rir. Talvez seja por isso que comediantes dizem ter o melhor trabalho do mundo. Vi uma twittada do Marco Luque, depois de sair de um show, e achei aquilo uma síntese espetacular. Fazer os outros rirem os deixam mais felizes, e fazer alguém feliz é um daqueles presentes sem preço. Trazer alegria pra alguém, fazê-la por um momento esquecer mesmo seus problemas e dar um gostinho de "não liga pra isso, sorria!" é algo que acho que deveríamos tentar fazer diariamente com pelo menos uma pessoa.

A vida sem humor é impossível, ainda mais num mundo chato e entediante como esse. Fazer os outros rirem é o melhor presente, arrancar um sorrisão de uma criança depois de brincar, ou daquele chefe chato e mal-encarado ou quem sabe de alguém especial. "Nada do que vivemos tem sentido, se não tocarmos no coração das pessoas", grande Cora Coralina!

Palhaços sempre têm lágrimas por detrás do sorriso. Alguém só pode fazer rir mesmo quando conhece o lado ruim da vida e de alguma forma não o supera - mas o compreende infinitamente. Humor e piadas são trabalhos mentais, e não trabalhos do acaso, é coisa de se pensar friamente e encaixar peças que você sabe que vai causar uma reação de riso da pessoa. O palhaço pode estar sempre fazendo palhaçadas, mas quando sai do picadeiro, sente-se feliz por fazer outros rirem porém pensa também que seria bom demais rir junto dos outros para acabar um pouco com a sua melancolia.

Mas palhaços embora tenham vidas tristes, não dizem que sua vida é frustrante!

Alegria é sempre uma coisa dúbia. Risos é sempre uma coisa de dois meios. Rimos porque o outro se ferra, mas que isso nos faz um bem danado, ah, isso faz!

Acredito que a nossa felicidade não é em darmos risadas, mas a de ver a felicidade estampada no rosto dos outros, e isso nos tocar no coração de tal forma que nos faz sentirmos bem. Ver que pelo menos naquele momento conseguimos arrancar do mundo chato e trazer pra um mundo cheio de gargalhadas e descontraído. Não ligamos em dar risadas, se fizermos alguém alegre.

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog