sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Sinais inegáveis.

"Trrrrrrrrrrrrom! Trrrrrrrrrrrrom! Trrrrrrrrrrrrom!"

Fiquei assustado quando ouvi o celular tocando. Eu estava no telefone com ela, conversando. Vi no identificador de chamadas. Era de uma menina que eu tinha ficado há um tempo, estava me ligando naquele momento.

"Ah, desculpe. Meu celular tocou", vi quem era e acionei o botão pra cancelar a chamada. Voltei ao telefone que estava originalmente. "Advinha quem era? Sim, era a *! Hahaha, não entendi porque ela tá me ligando uma hora dessas!", eu afirmei, meio sem jeito.

Essa amiga no telefone nunca aprovou meu relacionamento com essa menina. Ela estava ficando comigo, mas pensava no outro, no ex-namorado. Eu também sabia disso, mas não ligava muito. Queria só curtir um pouco. Mas tudo entre nós terminou antes mesmo de começar.

"Alain, não acredito que era ela. Me fala, vocês não tão conversando, né? Não tá rolando mais nada, né?", a amiga disse, inquieta, nervosa, aflita.

"Não! Não! A gente nem anda se falando direito... Ficou só na amizade mesmo. Não tá rolando nada, fiquei tão surpreso como você ficou!", respondi.

"Eu te falei sobre ela, não dá. Ela vai te fazer sofrer, eu falo isso pelo seu bem!", ela insistiu.

Na hora olhei pro lado. Vi a ligação perdida. Deitei a cabeça na cama, mudei o telefone de ouvido e respirei fundo. Eu me sentia confiante, sentia que aquilo que sentia por ela era forte, era verdadeiro, e que eu poderia tentar e saberia que iria dar certo.

Aquilo era um sinal. Aliás, vieram vários sinais. Parece aqueles filmes, sabe? Deus parece que escreve certo em linhas tortas, pensava. Tudo estava se encaixando.

Eu não vou mentir que eu não nutria algo profundo por aquela menina que eu tinha ficado. Eu ficava com ela mas pensava na outra. Me sentia bem junto da outra. Era alguém que queria algo sério. Alguém que estava investindo, alguém que eu sabia que ia dar certo pois tudo estava se encaixando perfeitamente.

Todo esse pensamento isso durou apenas alguns segundos. Ainda no telefone, respondi para ela:

"Escuta... Não tá rolando nada", recomecei, "Eu quando estava ficando com ela eu estava já interessado em outra. Pensei que não daria certo, mas agora tenho certeza. Tenho certeza que era ela que eu deveria ter investido desde o começo. Eu sinto isso!", disse pra ela no telefone.



No outro dia tentei chegar nela. Levei um fora.
E todos aqueles "sinais" foram pela descarga.

No final das contas, não era nada. E nunca foi.
Eu que fiquei fantasiando coisas que nunca existiram.

E quem estava falando comigo aquele dia no telefone não era a garota que eu estava afim, mas sim alguém muito próximo dela.

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog