quarta-feira, 11 de julho de 2012

Mulher, esse bicho engraçado.

Fui criado ao redor de apenas homens. Porém, vocês mulheres que me perdoem, sei que vocês concordariam se pensassem melhor (se já não concordam), mas lidar com homens é muito fácil. Nada como falar com um ser que quando falo "sim" é "sim", e "não" é "não". Não existe uma terceira variável, o "talvez". Homens são binários, diretos.

Por volta da adolescência comecei a sair do clube do bolinha. Era a testosterona e a vontade de procriar que domina nós, jovens homens, nessa época. Antes bundas eram apenas locais de onde saía cocô. De um mês pra outro, uma bunda feminina vira objeto de fetiche e tesão. Foi aí que comecei a lidar com mulheres, com uns quatorze anos. Um bocado tardio, de fato, mas aí vi que o buraco era mais embaixo.

Uma vez, já na faculdade, estava conversando com a Aline. Pegando "dicas" sobre mulheres perguntando para um ser que também tem como característica prevalente a tal da vulva no local onde nós homens temos um falo, e um bocado de estrógeno no sangue.

"Alain, quando a mulher fala 'não', é porque ela tá falando 'sim'!".

"O quê?", eu disse, no topo da minha ignorância pelas mulheres, "Como vocês negam algo quando na verdade o querem? Isso não faz sentido! E quando ela fala 'sim', é na verdade uma negação?".

"Quando ela fala 'sim', significa 'talvez'. E quando ela fala 'talvez', é porque ela quer dizer 'não'".

Minha reação nesse momento foi:

[Má que p*rra é essa?]

Mas na verdade, desde muito antes da faculdade eu comecei a lidar com mulheres, e não consegui entender nada porque na minha criação nunca tive mulheres suficientes. Até minha mãe é meio macho, coitada. Viver ao redor de homens, ela nunca reclamou (muito pelo contrário, disse que mulher sempre dá mais trabalho), mas em algumas coisas era difícil pra ela.

Hoje, por incrível que pareça, ela é a primeira a ficar pronta pra sair, antes mesmo de nós homens. Antes tínhamos que ficar esperando ela ficar pronta. Difícil de se imaginar, né? Até mesmo na hora de sermos homens minha mãe me empurrava mais do que qualquer outra presença masculina na família.

Acho que faz parte do ego masculino não querer o crescimento do outro, para que não sejamos superados. Talvez por isso, nada melhor que uma mulher para - ao menos nesse quesito - nos fazer verdadeiros homens. Nem que seja apenas abrindo um vidro de azeitonas ou matando aquela barata.

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog