quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Como se fosse uma gota d'água, descobrindo o que é o mar azul. (2)

Eu tentava procurar essa felicidade. E vi que uma pontinha grande dessa felicidade vinha de ajudar os outros com todo o meu coração. Fazia oração todos os dias (e ainda faço), mas uma paixão por uma garota que eu não poderia me apaixonar causou muitos problemas.

E eu, ao invés de tentar resolver conversando, negava aquele sentimento. De fato, eu não queria. Nunca quis, nem quero, mas meu coração ficava palpitando. Logo, acabei discutindo com ela, pois ela havia iniciado um namoro com um cara e só havia me falado quando os dois estavam firmes já. Isso me magoou também, essa falta de consideração da nossa amizade, mas também aproveitei isso como uma deixa pra fazer o que eu já queria - cortar relações.

Mas óbvio, não rolou. Aquilo era uma solução superficial.

E fiquei segurando aquele sentimento, até que veio o assento de elevação em maio desse ano. Achava que com uma determinação firme, a mesma determinação que eu tinha me faria elevar. Mas não foi. Me senti um bosta. Todos torciam por mim, e tudo o que eu queria fazer era chorar.

Não queria mais frequentar o templo. Fiquei arrasado quando a elevação não aconteceu. Parecia que não estava correspondendo às expectativas de todos.

Mas ainda assim, quando chegava em casa, eu continuava orando. Como, se estava decepcionado com a religião? Demorou apenas dois ou três dias. Um dia, voltando do templo, eu ouvia o goreiju num bottom que tinha ganhado. E, vi claramente o dia quando não consegui a elevação, e como se a câmera subisse, vi os pais Shinnyo chorando. Chorando mais até que eu por eu não ter me elevado.

Foi aí que eu vi que eles choravam quando eu chorava. Ficavam felizes quando eu ficava feliz também. E teve muita compaixão por eu não ter conseguido. Se eu tinha conseguido em maio teria sido bem pior, e hoje dou graças aos Budas por ter me acontecido aquilo. Aprendi a lidar com a frustração justamente quando experimentei uma das maiores frustrações da minha vida. Foi difícil, foi duro, muito complicado. Abalou minha fé e tudo o que eu acreditava. Mas vendo hoje, ainda bem que aconteceu.

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog