terça-feira, 17 de junho de 2014

Malévola.

Filmes que me chamam a atenção faço questão de citar aqui. Esses dias fui com um amigo assistir Malévola, esse novo aí com a Angelina Jolie.

Até aquele momento a minha maior referência da Maleficent, vilã da história da Bela Adormecida, era a do desenho e como vilã do Kingdom Hearts, game da Disney/Square-Enix.

Vi algumas críticas bem pesadas do filme, como se fosse uma espécie de filme pras feminazis de plantão, que critica os homens que enganam as simples camponesas de nobre coração que vão todos os dias ao bosque recolher lenha, e vi até reviews do filme dizendo que ele havia um amor lésbico. What? Não sei se viram o mesmo filme que eu vi.

Nota dez pra maquiagem e figurino! Incrível como conseguiram transpor o ambiente do desenho sem ficar ridículo. E aquelas maçãs no rosto da Angelina Jolie? É igual aqueles chifres da Lady GaGa? E nota dez pra atuação da Jolie, aliás. Não vale Oscar, claro, mas até sotaque britânico ela fez.

A Aurora ficou apagadinha, como toda princesa Disney, ficou uma personagem semi-songa monga, e os efeitos são de qualidade padrão, nada muito revolucionário. O roteiro ficou bem original... Agora faltam só pegar isso e fazer também com outras Princesas Disney® se a moda pegar.

Falta só fazer a Bruxa má da Branca de Neve, da Rainha de Copas da Alice, do Jafar da Jasmine, da Fera (?) da Bela e da Senhora Tremaine da Cinderella. Se bem que hoje em dia colocam até a Mulan como princesa Disney... E ela nem é princesa coisa nenhuma!

Spoilers abaixo. Depois não diga que eu não avisei.

Eu achei interessante, porque uma coisa besta eram os príncipes encantados nos filmes. Sempre eram os coadjuvantes com importância de protagonista. Afinal era o beijo do verdadeiro amor, quer dizer que se eles basicamente não aparecessem no final do filme, sempre a princesa teria seu destino fatídico.

Em Malévola, a história toda tem como foco a Malévola e a Aurora. É criado um relacionamento entre elas, algo que justificasse a escolha da Malévola, que era uma fada que havia se apaixonado por um garoto que a havia enganado e arrancado suas asas (que teve gente que viu um estupro, eu vi mais o fato de perder a liberdade, de reduzir sua capacidade, quebrar a confiança), e que mais tarde se torna o rei que é alvo da maldição da Malévola.

No desenho, era a Malévola disfarçada que mostrava a roca de fiar de propósito pra Aurora machucar e adormecer, no filme ela entra numa espécie de transe e põe seu dedinho lá. Ficou um roteiro paralelo legal exceto a parte do final feliz. O príncipe chega a dar um beijo da Aurora, mas é apenas o beijo quase maternal da Aurora que é o beijo do amor verdadeiro - o beijo do amor de uma mãe pela filha praticamente, uma vez que a Malévola ajudou a Aurora o filme inteirinho.

O final feliz que tirou a graça. E as asas também. A Malévola já é uma das vilãs Disney mais fortes (se não for A Mais Poderosa), quando você equipa asas nela, é como se você desse um Charizard pro Darth Vader. Aí que fica imbatível, tudo o que voa é imbatível, tipo Superman e o Goku.

Acho que a Malévola deveria morrer no final, e as últimas palavras pra Aurora deixar ela em dúvida pelo resto da vida de deveria ter tido raiva ou não dela por conta da maldição. E talvez o príncipe matar, mas que ela matasse o rei primeiro, afinal todos que assistiram o filme estavam esperando por esse momento.

Mas como o filme tem meio o foco pra crianças, não dava pra ser um final assim...

E eu sou da geração Titanic, tivemos que crescer sabendo que o Jack jamais ficaria com a Rose e tivemos que nos acostumar com isso. Não tá fácil pra ninguém!

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog