segunda-feira, 23 de março de 2015

007 - Os Diamantes são Eternos (1971)


Sean Connery havia feito cinco filmes como James Bond. Depois de Com 007 só se vive duas vezes ele passou o bastão da George Lazenby, em 007 A Serviço Secreto de Sua Majestade. Mas parece que depois da desistência de Lazenby o pessoal da EON ficou sem alternativa, e pagaram uma grana preta pra Sean Connery voltar como Bond, uma última vez. E assim nasceu 007 - Os diamantes são eternos.

Eu fico abismado como o Sean Connery tá acabado no filme. Ele ainda mal tinha uns quarenta anos, não? E nem tinha dez anos que ele havia começado a carreira como James Bond. Ele tá com uma aparência cansada e mais velho do que realmente é.


Mas vamos falar do filme! Impossível não falar do filme sem a canção tema, uma das mais famosas de toda a série, a canção Diamonds are forever, imortalizada na voz de Shirley Bassey. Na minha opinião a quarta música mais legal da série.

O filme parece bem continuação do anterior, 007 A serviço secreto de sua majestade. Imagina que o cara acaba de matar sua esposa. No começo, antes mesmo do tema, mostra um Bond sanguinário indo atrás do Blofeld (o Blofeld que matou a Tracy! Buááá), e inclusive matando-o. Mas... Rá! Pegadinha do Mallandro!


No meio do filme o cara tava vivo, holy shit. E inclusive tinha feito "clones" dele com alteração de voz e cirurgias plásticas. Tempos onde manipulação de DNA não existia, mas existiam plásticas. E perfeitas, holy fuck.

No filme Bond se disfarça de contrabandista pra investigar tráfico de diamantes na África do Sul. E você pensando que esse rolo de diamantes no sul da África era coisa atual (por conta do filme "Diamante de sangue"), olha só, na década de setenta já falavam que a coisa era feia por lá. Primeiro ele passa em Amsterdã, sob a identidade de Peter Franks, o tal contrabandista, pra pegar os diamantes da lindíssima Tiffany Case e descobrir o destino deles na América. Só que Bond é tão mão rápida que inclusive troca os documentos do verdadeiro Peter Franks com os dele.

E a reação da Tiffany ao abrir a carteira do verdadeiro Mr Franks e ver o nome "James Bond" é sensacional (no fim do vídeo):


"Oh my God! You've just killed James Bond!".

:O

E aí no final Bond descobre que Blofeld queria os diamantes pra colocar num satélite pra fazer um super laser solar pra queimar cidades inteiras, como uma criança com uma lupa queimando formigas.

(sério, mas que plano de bosta pra destruir o mundo, né?)

Bond fica pouco em Amsterdam. Mas ele passeia muito pelos Estados Unidos, em especial... Las Vegas! A parte mais engraçada é quando ele encontra a outra Bondgirl, chamada Plenty O'Toole, onde Bond usa mais uma daquelas falas horríveis de tão engraçadas, hahaha:


"Hi! I'm Plenty!", diz a menina. Com um decote generoso e peitchugas imensas.
"Of course you are", responde Bond.
"Plenty O'Toole", responde a menina, ainda sorrindo.
"The name was your father's idea?".

A brincadeira é que "Plenty" significa "Um monte", "Fartura". E quando ela se apresenta é exatamente assim (foto acima), com os braços cruzados pra deixar os melões ainda mais com cara de melancias (if you know what I mean, hahah). Por isso o trocadilho de Bond quando ela se apresenta como "Plenty", ele diz: "Sim, claro que você é", hehe. Eu ri muito!


E tem uma parte legal do Q jogando cassino e sempre tirando "Bar", que é o maior valor nas máquinas de caça-níquel (acima). Tudo isso usando um treco que ele criou pra sempre se dar bem nas máquinas de jogos de azar! Dinheiro adoidado em Las Vegas!

O filme se passa em 1971, e o homem pisou na lua em 1969. Não sei se vocês sabem, mas existem até hoje gente que tem provas de que o homem não foi na Lua coisa alguma. E o filme se passa apenas dois anos depois que Louis Armstrong deu seus pulos na Lua. Tem uma cena que tira sarro exatamente disso, lá no laboratório do Blofeld, que parece mais uma Area 51:


Pra você ver que tanto os boatos da Area 51, como se o homem pisou na Lua ou não são mais velhos do que se imagina! O foda é que os astronautas NÃO SAEM DO PERSONAGEM MESMO COM O BOND CORRENDO NO MEIO DELES! Hahahahaha!!! Cara, eu ri muito nessa cena acima!

E outra cena bizarra é quando a Tiffany enfim encontra a porra do Blofeld. Na verdade ela encontra uma senhorinha com o gato do Blofeld andando num aeroporto, segue a senhorinha e quando a vê entrando num táxi ela é empurrada pra dentro. E aí dentro do carro que ela vê o significado do ditado de que à noite todos os gatos são pardos:


Enfim, é bizarro. Até maquiagem colocaram no cara, hahaha! (e nem mostrou o rosto! Exceto dentro do carro!)

Tá, mas e a BondGirl? ;)

Tiffany Case, interpretada pela belíssima atriz Jill St John. Na primeira cena em que aparece eu pensei que era bem mais velha, mas algumas cenas mais tarde vi que ela pode ser tudo, menos velha:


Acho que é o cabelo! Dá cara de velha, sei lá. Mas com esse corpinho, uau. Eu acho que ela foi uma das que mais o Bond se deitou num filme. No filme eu contei umas três ou quatro vezes que ele vai pra cama com ela. A personagem dela é super engraçada, toda perdida nos paranauê, não sabe que o mundo tá prestes a acabar, enfim, tadinha, dá dó às vezes, hahaha! Muito no mundo da lua!

Ela lembra muito a Mary Goodnight (de 007 contra o homem da pistola de ouro), mas a Mary é inocente e engraçada, a Tiffany é distraída e engraçada, haha. Tem até uma cena no final onde eles estão na base do Blofeld, e James tem que trocar uma fita cassete (cacete!) com as coordenadas do laser destruidor e a fita com as coordenadas corretas ele coloca dentro do biquini da Tiffany.


Aí a Tiffany toda confusa vai e troca as fitas! xD Coloca a fita com as coordenadas corretas de volta achando que aquela fita que o Bond colocou dentro do biquini dela era a correta. O mais engraçado é a cara dela quando ela na cara dura tenta trocar as fitas (acima) achando que o Blofeld não ia ver. Acho que a reação dela resume bem o que aconteceu enquanto ela trocava, né? Hahaha.

Outra cena engraçada é no final. Já que a fita foi trocada, o jeito é acabar com a base do Blofeld na base da destruição mesmo. Bond pega um guindaste e começa a socar uma cápsula de fuga com o Blofeld dentro destruindo toda a base dele.

E a Tiffany do lado querendo ajudar em alguma coisa? Tinha um guardinha do lado morto, Bond manda ela pegar a arma e atirar nos outros, só que coitada... Nunca havia pegado numa arma, e a cena dela atirando é simplesmente... Hilariante! Hahaha.


SIM, ela fechou os olhos, virou o rosto e... atirou! Hahahaha!!

Enfim, filme muito gostoso de se assistir. Fechou a era Connery com chave de ouro! ;)

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog