segunda-feira, 27 de abril de 2015

007 Somente para seus olhos (1981)


Ê laiá! Que bela buzanfa no poster! Mais sensual que isso, só a desse outro filme. Outro filme magnífico de Roger Moore. Depois da viagem ao espaço (literalmente) que foi Moonraker, os produtores queriam um filme com uma trama menos viajada. E nada melhor que um filme baseado em vingança, afinal a vingança nunca é plena, mata a alma e a envenena!

007 Somente para seus olhos parece uma volta de um Bond mais original de Fleming. E isso já é mostrado logo na primeira cena. Um homem andando num cemitério com rosas vermelhas, parando na frente de um túmulo com um nome muito familiar para quem curte a série:


Um minuto de silêncio pra única mulher que colocou uma aliança em James "Fucker" Bond. A tumba da Tracy indica ainda o ano 1969. O ano em que foi lançado 007 A Serviço secreto de Sua Majestade. E ainda o epitáfio: "Nós temos todo o tempo do mundo", a frase que Bond diz quando chora a morte da sua amada.

Logo nesse comecinho de filme tem a volta temporária do Blofeld! Mesmo que ele não seja creditado, muito menos em nenhum momento ele se apresenta como Blofeld e tampouco mostra seu rosto. A EON não poderia usar o personagem pois estava em disputa ainda com aquela treta que deu nos direitos de 007 contra a Chantagem Atômica.


Mas quem é fã da série sabe que é o Blofeld. Parece que essa foi uma brincadeirinha do pessoal da EON, tipo um eater egg, tirando sarro dos processos que eles estavam levando pelos direitos do vilão Blofeld. Polêmica ou não, Blofeld é novamente morto, e sabe lá deus quando esse homem vai voltar.

O filme começa com a BondGirl, Melina Havelock, visitando seus pais. Quando ela vai entrar no navio dar de comer pro papagaio que o pai tem de estimação, o avião que a levou passa e metralha seus pais à queima roupa, matando-os. É uma cena bem chocante, ainda mais o olhar que ela dá na câmera depois de presenciar a morte dos pais:


De todas as Bondgirls, a Melina é uma das que mais tem profundidade de personagem. O filme gira todo entorno dela, por isso esse filme deveria se chamar "Melina Havelock - O filme", pois é por esse fato no começo do filme que nasce o sangue nos zóio da menina, e toda a vingança que ela trama pra pegar quem matou seus pais.

Melina era Camille Montes trinta anos antes!

No filme não tem o personagem M, o famoso chefe de Bond. Bernard Lee, o famoso ator inglês que fazia seu papel faleceu em janeiro de 1981, e parece que os diretores não acharam alguém a tempo de substituir, e colocaram o assistem de M, Bill Tanner, para dar as ordens pra Bond ir pra missão:


Só pra constar: Esse personagem não é um zé ninguém tapa-buraco. Bill Tanner é o assistente de M, e é um personagem que aparece em tantos filmes quanto M ou Q, só que sempre está em segundo plano pois ele é subordinado do M. Vários atores fizeram esse papel, e ele continua aparecendo mesmo nos filmes atuais, como em 007 - Quantum of Solace.

Se Melina está atrás de vingança, Bond está atrás do ATAC (Comunicador de Mira a Alvos Automático), um sistema capaz de controlar submarinos Polaris. E o que é Polaris? Polaris é um sistema de controle de submarinos com armas nucleares criado pelos ingleses.

Ele estava a bordo de um navio espião chamado St George (que estava disfarçado de pesqueiro) que foi alvo de um ataque e afundado. E aí começou uma corrida pra ver quem pega de volta o ATAC, se são os ingleses, ou os soviéticos, afinal todos querem armas nucleares, até minha vovózinha.

E aí que a história se cruza com a da Melina. Os pais da Melina estavam investigando onde o navio havia sido afundado. Por isso foram mortos.

Enquanto Bond investiga o esquema tem uma cena MUITO engraçada, que é acredito que um dos primeiros e únicos foras que Bond dá numa garota em toda a série:


Essa ninfetinha é Bibi Dahl. Bond pode ser o que for, mas não é pedófilo, hahaha.

Bibi Dahl é uma patinadora que é protegida de Aris Kristatos, o vilão do filme, empresário e informante da Inteligência que durante grande parte do filme achamos que ele é um cara bonzinho, mas no final acabamos descobrindo que tudo havia sido tramado por ele. Por mais que a menina realmente pareça ter uns quatorze anos, a atriz na verdade já tinha 23 anos na época!

E Bond, bem... Por mais que ela o provoque de todas as maneiras a reação dele é a mesma. A menina é louca pra que Bond "dê um jeito nela", mas Bond não vai fazer isso porque ele tem licença pra matar, não para fazer sexo com adolescentes, hehe. O vídeo acima é uma paródia da cena, com esses trechos dos famosos memes da internet!


A Melina consegue se vingar logo no começo do filme do cara que, de fato, matou seu pai (o piloto do avião que atirou). Mas o cara era apenas um laranja, e matar o assassino não ia pegar os figurões que estavam no topo. É nesse momento que as duas histórias de cruzam, Melina quer buscar a organização que matou seus pais, e Bond quer achar onde está o tal ATAC. E, como obra do destino, a mesma organização é o alvo de ambos.

Essa perseguição (vídeo acima) é uma das mais bem boladas. Primeiro porque é uma mulher dirigindo: normalmente sempre é Bond dirigindo. Tudo bem que ele pega o volante depois, mas começa e fica grande parte do tempo nas mãos da Melina. O carro até capota (e eles saem ilesos!), sem contar as manobras clássicas que só vemos num filme de James Bond.


Olha só quem temos de volta! O tiozinho bêbado de 007 contra o Foguete da Morte! Ele aparece num flash na cena de Veneza com o "tapete voador" no filme anterior. Nesse, ele fica desacreditado em ver as manobras que Bond faz em uma das cenas de neve que por muitos fãs é considerada a melhor de todos os filmes.

Logo depois que Bond descobre que na verdade é o tal Kristatos que ele pensava que estava ajudando ele e na verdade era o grande vilão do filme. Bond e Melina pegam um submarino pra ir investigar de uma vez por todas o navio afundado com o ATAC.


E, como sempre, tem TUBARÕES. Porque diabos os produtores gostam tanto de tubarões? Assim povo pensa que tubarões existem em todo centímetro de oceano desse mundo. Mas essa cena subaquática é muito boa pois predomina a tensão! É tudo escuro, são apenas os dois, pouco tempo de ar e, pra piorar, um maluco com uma roupa de mergulho parecida com a de um astronauta querendo, é claro, matar Bond e a Melina.

O filme não se chama "Somente para seus olhos" por acaso. Na verdade duas coisas que são muito usadas no filme são aqueles diálogos apenas com o olhar. Muitas vezes quando Bond e Melina estão juntos mergulhando eles se falam entre si apenas com expressões no olho.


E acho que um outro motivo do filme se chamar "Somente para seus olhos" é o quão deslumbrante são os cenários do filme. É o filme mais rico nisso, sem dúvidas. São florestas, neve, praias, montanhas, oceano... Realmente o filme é um show de coisas variadas e cenários que enchem nossos olhos. Realmente os produtores levaram isso bem à risca.

Essa cena acima é um pós-noitada de muita rola que Bond teve com a condessa Lisl von Schlaf, esposa de Milos Columbus, o corno, o antigo parceiro do Kristatos que Bond achava que era o vilão, mas na verdade Columbus acaba levando Bond pra pegar o Kristatos (tem corno pra tudo nesse mundo!). Essa cena da morte dela é bem tensa também, morta atropelada por um buggy numa praia (acima). Você nunca mais irá pro nordeste andar de buggy pensando na mesma coisa!


Essa cena (acima) é outra icônica. Normalmente essas cenas "no mercy" de Roger Moore são sempre muito bem boladas. Tem uma similar em 007 - O espião que me amava, mas com um carro foi a primeira vez. Era um dos capangas de Kristatos, e o carro fica justo numa ribanceira. E Bond dá um chutão com o pé e termina de enterrar o cara, morro abaixo.

Tem uma cena muito boa quando Bond está enfim pronto pra parar o Kristatos que está com o ATAC que Bond recuperou do navio afundado, e eles procuram na Grécia uma tal de igreja de São Cirilo Maria Joaquina. E Bond acha a tal igreja, e James se senta no confessionário e quem aparece do outro lado?


James Bond: "Forgive me, Father, for I have sinned."
Q: "That's putting it mildly, 007!"

Q aparece pra avisar o 007 que existem centenas de "igrejas de São Cirilo" na Grécia. Mas a cena é muito engraçada por causa do teor de humor que ela tem. Não é todo dia que vemos o Q (Desmond Llewelyn) vestido de padre ortodoxo!

E no final Bond enfim invade o esconderijo do Kristatos junto com a Melina e Columbus, em uma cena de escalada que eu teria muita dó do coitado do dublê. Mas dizem que eles curtem adrenalina e coisa e tal, né? Mas deus me livre ter um emprego desses!


Sempre parece que todos possuem um ditado sobre vingança. Um que Bond usa muito com a Melina é "Se você for se vingar de alguém, melhor cavar duas covas". E justo no final quando enfim Bond pega Kristatos, Melina aparece e tem o arco-e-flecha dela apontado pro cara que mandou matar seus pais:


Bond a impede de matar Kristatos, mas quem mata o vilão é o Columbus que estava atrás e joga uma faca nele. Bom, de qualquer forma você estava condenado mesmo, Kristatos, seja pela Melina ou pelo Columbus, hehe.

007 pega o ATAC e joga ele longe na montanha, quebrando-o em pedacinhos, uma vez que Kristatos ia negociar esse aparelho com o General Gogol, um camarada soviético que já apareceu em outros filmes, mas aqui ele não tinha muita importância. O próprio general quando vê que é Bond e ele quebra o ATAC, ele sai com um sorriso amarelo do tipo "Ok, beleza, foi mal ae!".


E no final, Bond tem uma "conversinha" com a baronesa (na época, primeira ministra) Thatcher. Impagável!

Enfim, eu adoro esse filme, e pra muitos é o melhor do Roger Moore. O filme é de uma qualidade invejável, especialmente trilha sonora e fotografia. Cenários maravilhosos, música empolgante e personagens bem profundos, como a Melina Havelock.

Falando na Melina, vamos tomar uma flecha do cupido dessa nossa arqueira e falar dela?


Eu acho a Melina Havelock (Carole Bouquet) uma atriz com uns traços tão bonitos, cara! Ela é séria, mas tem esse rosto retangular, além desses olhos mega expressivos, esse cabelão longo e o corpo bem esguio. Não consigo imaginar outra pessoa que reflita fisicamente uma personagem tão profunda como a Melina. Ela nasceu pro papel!


Como já falei antes, é impossível falar desse filme sem falar da Melina, que realmente rouba a cena. Acho que é uma das BondGirls que mais participam do filme, pois do começo ao fim ela tá ao lado de Bond investigando tudo, afinal, ela tem sede de vingança!

Isso sem contar que ela nunca se intimida por ser a única calcinha no meio de tanta cueca. Melina sabe lutar tanto quanto os caras no filme, ou até melhor! Armada com sua besta ela vai a caça de todos. E bom, e claro que depois de toda a luta contra o mal, temos um tempinho no final do filme enfim pra fazer um love merecido:


Tem alguns que não curtem a Melina Havelock. Mas pra mim, é uma das melhores BondGirls da história! Excelente personagem, atuação impecável, além de ter o melhor da beleza mediterrânea. Pacote perfeito!

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog