quinta-feira, 30 de abril de 2015

There is no heart without you.



Esses dias, depois do pedido de desculpa que te fiz, estava refletindo. E me lembrei de como era bom no passado.

Lembrei de como eu era feliz quando te via, especialmente quando você aparecia e me cumprimentava daquele jeito único que só nós nos cumprimentávamos, igual nesse desenho. Me deu saudade de ver você se preocupando comigo, de você mesmo na correria desenfreada do dia-a-dia aparecendo e tentando ainda assim me dar atenção nos minutinhos que tinha. Senti falta dos passeios. Senti falta de estar ali do seu lado, mesmo que quietinho, pois o que mais me fazia feliz não era se você tivesse sentimentos por mim ou não. O que me fazia feliz mesmo era ter você ali, perto de mim, de alguma forma.

Você virou um fantasma cujo rosto eu não tenho coragem nem de ver. Eu me senti um ser cheio de vergonha por ter nutrido os sentimentos, por ter chegado tão longe, e nunca as coisas terem funcionado. É como se o pensamento em você fosse o meu cilício, que não adiantaria mais aceitar que tenho esse sentimento, lutar por ele ou ainda tentar tirar ele do meu coração usando a força. Infelizmente eu cheguei num ponto onde eu sabia que não havia a possibilidade de dar um passo para trás. Ainda assim, eu apostei. E perdi, pois você não queria nada. Ainda me agarrando a alguma vã esperança, tentei uma segunda vez. E, novamente, caí. Você nunca quis estar do meu lado.

Não vou mentir. Sempre fui mesmo apaixonado por você. Mas esse amor foi evoluindo de alguma maneira todos esses anos.

Eu agi bem errado. Disse novamente aquelas coisas horríveis pra você, mas fiz isso por medo. Porque eu tenho tentado de todas as maneiras nesses meses te esquecer de alguma forma, por mais que meu coração no fundo dissesse que queria voltar a amizade, voltar a falar com você, voltar a ter aquela relação boa que tínhamos antes. Ah, como eu sinto falta daquilo! Por mais que eu fosse uma sombra, por mais que naquele momento eu escondesse meus sentimentos por você, eu era feliz pois sabia que você estaria lá.

Que jeito triste é esse de ter você longe dos meus olhos, e dentro do meu coração.

Agora, você pode até estar fisicamente, mas meu coração prefere ainda te evitar. Pois se eu voltar com a amizade, vou me apaixonar por você de novo, uma terceira vez.

Virei um prisioneiro de mim mesmo. Eu sei que se voltarmos a nos falar eu vou novamente cair de novo na mesma armadilha - e começarei a imaginar que existe uma chance, que existe uma esperança, que o sentimento é sincero, correto e puro.

E a questão não é o que move esse sentimento - que é sincero e puro, e nisso nós dois concordamos - mas sim a grande muralha que esse amor vai encontrar na frente. Uma muralha feita de tijolos de obstáculos, de falta de esperança e de vontade. Uma muralha feita com tijolos de dúvidas sobre o futuro, ou de suposições. Uma muralha intransponível, que lá em fevereiro tentei desesperadamente buscar uma chance de ultrapassar, uma chance de mostrar a esperança que tenho de ainda ter seu coração aceitando o meu amor.

O que é que vou fazer com essa liberdade, se estou na solidão pensando em você?

Eu era feliz naquela época, lá atrás. Mesmo que eu nunca tivesse me declarado, e tivesse medo de fazer isso pois desde o começo eu sabia sua resposta. Antes mesmo de qualquer fora que recebi seu. Nesses dois meses tenho tentado novamente fazer o que tenho tentado fazer nesses cinco anos. Buscar os aromas que sentia em você, em outras flores. Mas é muito difícil. Infelizmente você era você. Você era o sorriso que me alegrava, você era a voz que me acalmava. Você era a presença que me trazia serenidade. Você era o abraço que eu queria que nunca terminasse.

Eu sempre dava risada das outras pessoas que conheciam esse tal de amor. Achava que aquilo era exagero, coisa de tolos, e que esse tipo de coisa jamais seria pra mim. Hoje, sinto muita, mas muita falta de você. E sei que aquele amor que senti foi uma coisa sublime. Ao mesmo tempo, não posso voltar a falar com você, pois eu me apaixonarei ainda uma terceira vez. E toda vez está mais e mais difícil continuar vivendo com o "não", tanto por parte minha recebendo-os, como você que tem que buscar seus sonhos, e que ter um namorado agora só vai trazer problemas, pois você não tem tempo pra absolutamente nada.

Nesses quase três meses, senti sua falta em todos os dias, horas e minutos. Queria ter aquela certeza de antes de que você estaria lá. Mas quem não pode ir lá hoje sou eu. Pois, infelizmente, esse amor é como uma doença em mim. E o triste remédio é ficar longe de você, para ver se enfim acho a cura dessa enfermidade no meu coração.

Três meses, e está muito difícil de te esquecer.

De todas as coisas, somente tenho certeza de uma:

There is no heart without you.

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog