segunda-feira, 11 de maio de 2015

Livros 2015 - #2 - The man with the Golden Gun

Oba! Terminei ontem. Sim, eu já fiz a resenha do livro antes, mas eu não tinha lido direito, por isso ficou uma resenha de bosta. Dessa vez resolvi dar uma outra chance pro livro e não me arrependi! Ian Fleming é um excelente escritor. Eu que sou um leitor preguiçoso, hehe.

O livro não é tão redondinho quanto On Her Majesty's Secret Service, especialmente na parte que diz sobre sua adaptação ao cinema. Pouquíssima coisa a ver. Mas isso não quer dizer que o livro seja ruim, jamais!

Eu já comentei que os filmes possuem quase nenhuma continuidade. Praticamente todos os filmes são independentes uns dos outros. Mas nos livros, não. Existe uma linha de enredo que vai ligando um ao outro.

O livro começa com o M recebendo ligações de alguém que se dizia ser Bond, que ele acreditava estar morto. O livro que precede esse é o famoso You only live twice, aquele que Bond vai pro Japão e dá uns pegas na Kissy Suzuki. Não achei o anterior pra ler ainda, mas pelos spoilers que já vi por aí, Bond acaba engravidando a Kissy e inclusive tem um filho com ela apenas no livro (wtf?).

Enfim, acontece que todo mundo realmente achava que Bond estava morto no livro. E depois de explodir a base do Blofeld, Bond acaba levando um sério dano na cabeça, e passando por diversos países, sofrendo lavagem cerebral ao ponto de que ele não se lembrava de muita coisa. E meses depois ele liga pro MI6 se identificando como Bond, que todos lá achavam que estava morto.

O pessoal do MI6 então se dá conta que Bond está vivo mesmo, e durante uma conversa com o M, Bond dá uma de louco e tenta matar seu próprio chefe. Mas ainda assim, como não tem pessoa melhor pra colocar pra trabalhar, dão uma chance pro Bond ainda assim.

Tem um capítulo que é um dossier completo da vida do próximo alvo de Bond, Francisco "Pistols" Scaramanga. Esse "Pistols" não é um apelido usado no filme, mas a história dele é idêntica tanto no filme, quanto no livro. Incluindo a história do elefante no tempo que Scaramanga trabalhava no circo e era seu melhor amigo. Quando o elefante num ataque de fúria começou a bater em todo mundo Scaramanga teve que matá-lo a sangue frio dando cinco tiros no olho do elefante, que fez o então garoto Scaramanga crescer com muitos traumas.

A descrição bate muito com o filme. Inclusive o terceiro mamilo (mamilo, não seio!). Eu dei uma pesquisada na internet e esse distúrbio do terceiro mamilo existe de verdade, fica tipo uma verruga, fica até bonitinho! E alguns outros detalhes sobre inclusive Scaramanga ser homossexual pois, pasmem, não sabe assobiar. Nessa hora o M está lendo o texto sobre o Scaramanga e se dá conta que desde moleque nunca conseguiu assobiar, aí ele faz o biquinho de assobio e um som sai quando ele assopra, e ele fica aliviado por não ser homossexual. Sim, what the fuck isso tem a ver? hahaha.

(aposto que se tiver um homem lendo esse texto você deve ter assobiado pra ter certeza, né danadinho? hahaha! É teoria de bosta do livro, não minha!)

Scaramanga está na Jamaica e Bond é enviado pra lá. Note que Ian Fleming adorava a Jamaica. No meio do caminho ele tromba com ela, a Mary Goodnight. A Goodnight é uma personagem que aparece em outros livros do Bond também, como On Her Majesty's Secret Service e You Only live twice, afinal ela trabalha no MI6 e é uma agente de campo também.

E lá segue algumas pistas do paradeiro do Scaramanga e cai num bar, cuja dona atendia pelo nome "Tiffy". Engraçado quando Bond a pergunta da onde vem o apelido, e ela fala que mãe dela deu os seguintes nomes pras irmãs dela: Violet, Rose, Cherry, Pansy e Lily. E quando ela nasceu a mãe não sabia mais nome de flores e chamou ela de "Artificial". Por isso, "Tiffy" (sim, sei que uma interrogação enorme está surgindo na cabeça agora).

A Mary Goodnight continua toda atrapalhada, tadinha! Bond é chamado pra ser o guarda-costas do Scaramanga quando ele estiver fazendo negociações com outros empresários. E quando Bond está hospedado, a Goodnight aparece no seu hotel e quase caga toda o esquema, pois justo na hora que ela tá lá o Scaramanga entra no quarto de Bond e Bond é obrigado a dizer que ela era sua esposa pra manter o disfarce.

No filme, Scaramanga é um assassino sob encomenda que possui um treco pra puxar energia do sol e gerar energia que ele queria vender pro governo chinês. Aqui ele é mais um empresário meio contrabandista especialmente no ramo de cana de açúcar, que ele quer dominar o mercado. Ele tem uma pistola de ouro também, mas não é legal como no filme. Essa é a do filme:


No filme é legal porque ela é formada por caneta, isqueiro e outros apetrechos que montados viram essa belezinha, que com um tiro único mata qualquer pessoa. A do filme é uma Single Action Colt calibre 45. Uma arma comum, que Scaramanga apenas ostenta, ela é similar a outra qualquer, exceto pela cor dourada:



Bom, deixa eu pular logo pro final, hehe.

Bond acaba sendo pego e descoberto pelo Scaramanga, e inclusive pega todas as evidências junto do seu amigo Felix Leiter. Bond é levado pra um trem que vai atropelar a Mary Goodnight que está amarrada nos trilhos, mas ainda assim Bond consegue derrotar todos os caras e ainda frear o trem antes de atropelar sua amiga. Mas quando ele cai fora pra ir parar a reunião dos tais empresários que iam fechar negócio com Scaramanga o trem explode, e Scaramanga aparece vivo, fugindo.

Os dois lutam num daqueles lamaçais de caranguejos. Bond com uma arma e Scaramanga com uma faca. É bem bizarra essa parte, porque o Scaramanga pega uma cobra e corta ela toda com sua faca e come suas víceras com Bond só "na moita" observando. Scaramanga percebe que Bond está atrás dele, mas acaba rendido. E Scaramanga, como um bom católico, pede pra fazer uma última oração em latim antes de morrer (?).

E aí Scaramanga fica lá louvando e coloca suas mãos no rosto, como se fosse chorar, e vai deslizando as mãos pra sua nuca, onde tinha uma Derringer, uma arma compacta, no seu colarinho. Ele pega e acerta Bond, que revida e desfere o pente da Walther PPK nele. Bond acaba hospitalizado e quase um mês depois recebe alta.

E quando ele recebe alta ele descobre que a rainha Elizabeth quer condecorá-lo fazendo-o virar "Sir James Bond", que ele rapidamente declina e diz que ele todo dia iria dar risada dele quando se visse no espelho e se chamasse "Sir James Bond". Tira um merecido descanso com quem? Quem? Quem? Mary Goodnight, é claro! Ela sempre foi caidinha pelo Bond, acha que ela iria perder essa? ;)

Foi o último livro completo escrito pelo Ian Fleming. No ano seguinte ele morreria, deixando inacabada duas obras: "Octopussy" e "The Living Daylights".

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog