quarta-feira, 11 de novembro de 2015

O fundo do poço.

Ficar sabendo que você está namorando me acorrentou de vez no fundo desse poço.

Como se eu estivesse nesse fundo há quase um ano. Acorrentado com uma âncora na minha perna direita, com água até a boca, tendo apenas momentos de respiração rápidos no meio do desespero de tentar se livrar dessa âncora.

Essa água que sempre me sufoca é ouvir esses seus julgamentos sobre mim. Parece que é bonito me fazer sofrer com a desculpa de que "isso é pro meu bem", e "eu sei o que é melhor pra você". Ou aquele julgamento triste sobre eu ser uma pessoa mega orgulhosa, e tudo mais.

Mas será que já pensou o contrário? Será que você não é a orgulhosa que tanto aponta o dedo pra mim? Eu estou apenas lutando pra viver. Ter uma vida digna com o resto de respeito que sobrou entre a gente.

E se você não fosse a pessoa orgulhosa da estória? E se não mostrasse um mínimo de compaixão e maturidade ao invés de só atacar alguém que já está no chão? Será que jogar água nesse poço em que estou ancorado no fundo dele, com água até o pescoço, lutando pra respirar não é o suficiente?

Pois hoje ao saber a verdade eu me afoguei de vez. Vi que esse carma não dá pra se lutar. Game over. Talvez eu deveria deixar mesmo essa coisa de budismo, dar um jeito na minha vida, procurar um emprego e enfim ficar longe de você.

Lutei com todas as minhas forças contra esse carma. Mas perdi a luta. Eu não aguento mais...

Adeus.

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog