sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Metroid Fusion (2002)


Eu sou super fã da série Metroid. Quando eu era moleque eu tinha um SNES que veio com Super Metroid, mas morria de medo de jogo e inclusive cheguei a trocá-lo. É algo que me arrependo muito, pois anos depois eu joguei Super Metroid e ele está na lista de todos meus jogos favoritos de todos os tempos. Já joguei a versão do NES, do Gameboy, terminei toda trilogia Metroid Prime do Gamecube/Wii, mas faltavam as edições do Gameboy Advance. Enfim botei as mãos no Metroid Fusion!

O game foi feito pela mesma equipe que fez Super Metroid (menos, óbvio, o Gunpei Yokoi, criador da série, que morreu em um acidente de carro em 1997). De facto, pra eu que sou um super fã de Super Metroid é inegável as semelhanças. Tudo é muito parecido, desde os inimigos, até a interface do jogo. Óbvio que algumas coisas deram uma melhorada, mas tá tudo basicamente ali.

Eu gostei do controle
O GBA tem dois botões a menos que o controle do SNES. Mas dá pra jogar perfeitamente, e algumas mudanças a gente até pensa "Porque raios isso não tinha no original"? Exemplo: Pra soltar mísseis você não precisa mais apertar Select igual no SNES e selecionar e atirar. É só segurar o R e atirar.


Uma coisa meio difícil de se acostumar no começo é o tiro em diagonal. No SNES era o L/R, mas como eu disse acima, o R é o que temos que segurar pra transformar a arma em mísseis. Agora se você aperta o L a Samus mira na diagonal superior. Pra mirar na diagonal inferior, é só apertar pra baixo. Meio difícil de se acostumar no começo, mas depois de jogar um pouco faz super sentido e ajuda pacas.

Eu não gostei das músicas
Cara, que musiquinha fraca! Super Metroid (e a série Metroid em geral) sempre teve músicas sensacionais, muito bem arranjadas, e músicas que até hoje o povo na internet faz tributos e remixes, de tão boas que eram. Minha favorita do Super Metroid era o tema de Brinstar. E pessoas fazem tributos animais como esse aqui, tornando o que já era bom, sensacional.



Mas a trilha sonora de Metroid Fusion é tão ruim, mas tão ruim, que nem mesmo o tema da Samus toca no jogo. E tipo isso é ESSENCIAL! As músicas são repetitivas, chatas pra caramba, e tiram grande parte do tesão do jogo. Eu não sou um cara que ouve muita música, mas quando ouço gosto de ouvir algo de qualidade. E nisso o jogo foi péssimo.

Eu gostei de fugir da SA-X
Explicando um pouco a estória: Samus, depois dos eventos de Super Metroid, volta com pesquisadores pro planeta SR388 (que ela já havia ido, pois é o planeta de onde nasceram os Metroids), porém com os metroids exterminados, a criatura que os Metroids tinham como alimento, o Parasite X se multiplica e danifica a armadura da Samus, obrigando ela a tomar uma vacina Metroid pra poder viver. Porém, a armadura dela já estava corrompida com o Parasita X e cria vida, com todos os poderes dela, sai andando por aí.



E bom, como sempre é de praxe em Metroid, você começa o jogo pelado. Sem os upgrades, sem mísseis, sem morph ball, nada. E na estação espacial que você está, está também a SA-X, o que é um perigo lascado pois a qualquer momento ela pode aparecer e te pegar. E sempre que você a encontra sem querer no jogo é meio que pernas pra te quero e sair fugindo desesperadamente. E isso é muito legal! A batalha final contra ela é de longe a coisa mais complicada do jogo, eu perdi umas vinte vezes (sem brincadeira!). Realmente muito, muito, muito forte!

Eu não gostei por ser curto
Terminei o jogo em mais ou menos uns três dias. Isso alternando entre o jogo e Uncharted 4. E com a ajuda da Adam, seu computador que manda pros lugares onde você deve ir, o jogo fica ainda mais fácil. Só voltar nele, bater um papo e saber o que fazer depois. Tanto que tinha hora que eu nem falava com ele, só pra dar uma dificuldade maior no jogo. Mas ainda assim, ficou tão legal, mas ficou... Curto demais.


No Super Metroid você vai explorando o planeta Zebes e suas áreas (Crateria, Brinstar, Maridia, etc) que tem a ver com os ecossistemas do planeta. Já em Fusion você está numa nave e ela tem setores que simulam climas diferentes. Talvez por isso o jogo pareça pequeno, afinal, teoricamente, você não está num planeta, e sim numa nave espacial gigante. Senti falta desse aspecto de exploração maior.

Eu gostei da nova arte da Samus
Esse jogo acho que foi o primeiro que criou a Samus sem armadura da maneira que conhecemos até hoje. Pelo menos estabeleceu o padrão! Tudo bem que esse game foi lançado mais ou menos junto com Metroid Prime do Gamecube, e o pessoal da Retro Studios criou aquela Samus com cara da Margot Robbie (que ficou sensacional), mas acho que o bacana da Samus é o jeito caricato da figura dela sem a armadura. Ficou bem bacana desse jeito:


Se não me engano a Samus é a primeira heroína da história dos games. A Peach, ou a Zelda são personagens femininas mais velhas que a Samus, mas a Samus foi a primeira protagonista e foi revolucionário na época, criando base pra outras que vieram depois, como Lara Croft, Bayonetta e Jill Valentine. Tava na hora de padronizar mesmo o jeito que a Samus seria e assim fortalecer a personagem, marca e importância dessa loira no mundo dos games.


0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog