quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Como raios Donald Trump se elegeu?


(antes de mais nada, eu não estava torcendo nem pra Trump e menos ainda pra Hillary. Acho os dois grandes incompetentes, mas entre os males, o "menos pior", então se eu fosse eleitor iria de Hillary. O embate que eu acharia mais justo seria Cruz versus Saunders)

Acho que muita gente se assustou com o resultado. Também foi compreensivo. E também todo mundo tá de saco cheio de posts que falam do Donald Trump ser racista, xenófobo, latinofóbico, além de colocar os dedos nas vulvas femininas pra saber se são dignas do seu pinto de ouro. E que também povo ficou revoltado, pois a Hillary ganhou no voto popular, mas perdeu no colégio eleitoral (então porque raios o povo vota?).

A questão que quero discutir aqui é outra. Que a eleição mostrou quem realmente são os americanos. Não que os americanos sejam isso, ou aquilo. Mas sim a imagem que é mostrada dos Estados Unidos pro resto do mundo.

Filmes, seriados, cantores, em geral são produzidos por pessoas de estados com influencia bastante democrata. Se você perguntar a uma pessoa média que lugares conhece dos Estados Unidos, eles vão citar Nova Iorque, Washington DC, São Francisco, Chicago, Las Vegas, Seattle, etc. E em geral essas grandes cidades são as que mais produzem filmes, seriados, novelas, música, pornografia. E, curiosamente, talvez por seus status de cidades mais "globais", normalmente existe um pensamento bem democrata também.

Veja por exemplo a mídia, isso em basicamente todos os países. Mesmo aqui no Brasil. Por mais que pessoas não gostem da Rede Globo, por exemplo, ninguém pode negar seu caráter esquerdista de colocar em pauta assuntos que no mínimo devem ser discutidos, para então ter alguma mudança real na sociedade. Como direitos LGBT, ascensão da mulher na sociedade, participação dos negros, etc. E isso é excelente. É um ótimo papel que a mídia tem de criar essas discussões. Isso inclui pessoas, diminui desigualdades e promove melhoramento social.

Só que ao mesmo tempo são esses os locais onde existem mais formadores de opinião. E aí que entra a imagem que o próprio país do Tio Sam mostra pro mundo.

Óbvio que os Estados Unidos vai mostrar a vida em Nova Iorque, com sua metrópole no estilo Sex and the City, com mulherada liberal. É claro que vão mostrar São Francisco, com sua atmosfera cosmopolita, que aceita pessoas LGBT. É claro que vão mostrar em seus seriados negros que viraram empresários, vivendo uma vida bem confortável em Chicago.

O problema é que o mundo começa a acreditar que Estados Unidos são apenas Nova Iorque, São Francisco, Las Vegas e Los Angeles, quando na verdade não é. Por isso pessoas ficaram extremamente frustradas com os resultados das eleições.

E existe um outro Estados Unidos que os filmes, seriados, novelas e artistas não mostram. Um país que tem muitas desigualdades, muitas pessoas com poucas chances de estudos, e ao mesmo tempo também muita gente alienada. Vide por exemplo o estado de Washington no mapa eleitoral:


No mapa geral o estado ficou azul. Mas perceba que apenas a capital e as cidades ao entorno que tiveram maioria de votos democrata. O resto foram todos eleitores do Donald Trump.

Não vou criticar aqui Donald Trump, nem os seus eleitores. Não sou papagaio pra repetir o que meio mundo tá falando. Esse post é pra mostrar o que realmente chocou o mundo: pessoas não ficaram chocadas por Donald Trump ter sido eleito. Pessoas ficaram chocadas pois acreditam que o país inteiro tem a mente que eles expõem nos filmes, novelas e seriados. Visões das cidades grandes, cosmopolitas, onde existe tolerância, respeito às minorias, etc. O que pessoas esquecem que os Estados Unidos é um país imenso, e muita gente vive longe desses locais e tem seu viés político que raramente é divulgado. Ou se é divulgado, é sempre divulgado como retrógados, pois a mídia lá basicamente influencia o mundo com os ideais democratas que também não são ruins.

Talvez essa explicação diminua um pouco o choque do que foi essa eleição. Existe um país imenso que pouca gente fala sobre ou divulga.

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog