segunda-feira, 24 de setembro de 2007

Nasceram! Nasceram!

Nasceram! Parecem uns ratinhos, né?

Agora eles estão sendo mostrados sozinhos, mas quando a Trulli tava junto deles - a mãe dos filhotes - ela mesmo me conhecendo e confiando em mim, esticou o braço para protegê-los, bem como uma verdadeira mãe mesmo!

E o engraçado é que hoje eu estava lendo as notícias e vi algo infelizmente bem diferente. Pra ser sincero, muitos símbolos relacionados a bebês estão aparecendo pra mim a toda hora... Além dos filhotes da minha gatinha, ontem eu vi 2001: Uma odisséia no espaço, e devo dizer que a parte do bebê estrelar é simplesmente impressionante e muito tocante. E hoje ao ler as notícias eu li uma de um bebê de dois dias encontrado em uma sacola térmica na zona norte do Rio Grande do Sul.

E esses dois contrastes realmente são não apenas antagônicos, mas aí entra o dilema do que seria humano e do que seria animal... Como que uma mulher faz isso com sua filha? Não sou a mulher, até porque não julgo as pessoas sem ver os dois lados da moeda. Talvez a mulher seria pobre, não teria condições, ou como bem são os jovens nessa época, provavelmente engravidou sem desejar isso, enfim... Podem ter motivos, e ela tem o dela.

Porém expor um ser indefeso a morte? Eu tenho uma tia que é adotada, a irmã mais nova do meu pai (diga-se de passagem, ela é poucos anos mais velha que eu, e cresceu comigo, só que eu nunca a chamei de tia, heheh... Nunca consegui, ela que me perdoe.) e foi abandonada recém nascida na porta da casa do meu avô que a recebeu e está aí, até hoje, e acho que vai casar em breve!

Eu vejo a minha gatinha... Poucos minutos depois de eu ter tirado a foto ela apareceu do nada, nem sei de onde ela tinha saído. Pulou na cama improvisada dos filhotes e novamente se agarrou a eles. Tenho umas outras fotos que ela inclusive põe o braço na frente, sem contar os miados de uma mãe querendo proteger sua cria.

Sabe... Eu gostei muito do filme do Kubrick (Odisséia no espaço). A última cena, com aquela música inesquecível, mostra a terra do lado direito da tela e algo brilhante do lado esquerdo. A câmera vira e mostra o que é: um gigantesco bebê, brilhante, que olha para o nosso planetinha azul. O próprio diretor falou que nós somos livres pra fazer qualquer interpretação do filme. Mas aí entra uma frase que eu ouvi há muito tempo, no dia em que eu entrei na primeira série:

"Estudem bastante. Vocês são o futuro. O futuro desde país."

Quem disse foi a diretora da escola, ao recepcionar os calouros da vida. Mesmo quando a situação está horrível, eu nunca perdi a esperança. Já desisti de algumas coisas (algumas temporariamente), mas a gente só desiste quando perde a esperança. Mas coisas que eu realmente quero eu vou até o final ou além deste. Acredito que crianças são isso, mesmo que muitos as odeiem, que digam que todas são meros seres babões que apenas querem saber de brincar, muitas vezes eu ouço e converso muito mais com elas do que com pessoas mais velhas.

Crianças significam acima de tudo esperança. Quando a criança lá no espaço, brilhante como o sol, fita a Terra, mostra-se como além delas serem iluminadas, elas carregam essa luz da esperança. De um mundo melhor, de uma sociedade mais justa, mas acima de tudo a iluminação significa o ganho de sabedoria.

Ao ver essa mãe gaúcha, excluindo nesse caso os problemas de caráter pessoal que ela esteja enfrentando, imagino não uma punição a ela, ou se ela seja fria, mas é algo além. Gostaria de saber o que ela sentia naquele momento. Se sentia absolutamente nada - jogar um recém nascido ao abandono como uma mera rocha - ou ainda se sofreu em demasia - por literalmente descartar seu filho como se fosse um mero lixo - ou ainda se ficou feliz - por não ter que sofrer por ter uma boca a mais pra alimentar, ou encarar seus pais, sociedade, ou algo do tipo.

Que fique claro que não a defendo. Se quisesse abandonar, dava pra adoção. Minha maninha sempre teve um conceito de perdão bem similar ao meu. Eu não nego, eu perdôo as pessoas, contanto que elas peçam por ele. Talvez pior ainda, eu perdôo as pessoas várias vezes. Podem dar muitas bolas-fora comigo e eu ainda consigo perdoar e levar uma vida comum depois disso. Acredito que, enquanto as pessoas estiverem vivas, e é claro, quiserem isso, podem mudar. Pode ser o maior serial-killer, porém se ele quiser ele pode mudar sim. Pra mim, mesmo eu não temendo a morte, e muitas vezes eu quis mesmo morrer, era exatamente na hora que eu via a morte perto que eu recobrava a esperança.

A esperança! Isso mesmo meus caros. É a esperança das crianças, nos olhares, nas ações, nas falas. Naquela hora eu vi que mesmo a paz que eu queria da morte seria apenas o vácuo, o obscuro, o vazio. Tenham em mente algo, depois da morte pode haver o descanso, mas ao mesmo tempo não há nada além disso. Se querem mudar algo, serão seus feitos em vida que mudarão algo. Eu vi na hora que eu deveria sair daquilo, e sempre continuar agarrado ao que eu sempre acreditei.

A esperança... De ter felicidade. De tornar real o que desejo. Mas acima de tudo de acreditar. Acreditar que talvez eu encontre boas pessoas, que meu pai deixe a droga do alcool, do fumo, mas também a droga da ignorância, que a vida melhore, e que mesmo que eu tenha chorado muito no passado, mesmo que hoje eu tenha abandonado as lágrimas, sempre manterei meus dois pés no chão, pois mesmo que eu não tenha asas e não possa voar e ser livre, tenho duas pernas que sempre irão me erguer por mais que eu caia no chão, e jamais me farão desistir.

A esperança. De encontrar um bom emprego, de estudar e aprender sempre mais, de pensar. Quem sabe de encontrar uma donzela que me faça feliz, e que talvez tinja a solidão de não ter uma mulher ao meu lado. O fato de eu ter sobrevivido a tantas coisas, e vendo bem foram mais vezes que vi a morte do que eu sequer consigo contar, pois meu nascimento quase terminou em tragédia... Enfim... Talvez o príncipe das trevas não goste de mim. Afinal talvez seja essa luz que eu aprendi a ter das crianças que sempre foi a minha arma principal.A esperança.

Boa semana a todos, e seja bem vinda Primavera. =)

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog