terça-feira, 7 de julho de 2009

Don't cry, Paris Jackson!

Essa imagem ficará acho que guardada durante muito tempo no coração de todos nós.

Hoje provável que será a última lágrima, o último choro. Logo no dia 26 a tevê passou vários clipes e fui relembrando de tudo daquele homem que nunca esteve presente fisicamente, mas foi muito importante na minha adolescência e infância. O dia começou com Billie Jean Motown 25th e terminou com Moonwalker no SBT. No fim do Moonwalker eu chorei, afinal as crianças (que aliás uma delas apareceu já adulta no Fantástico na visita à Neverland, Kellie Parker, com direito a um generoso decote, convenhamos) no final elas pediam pro Michael voltar, e ele voltava em grande estilo no fim do filme cantando Come Together.

Hoje porém a tarde estava ocupado, e com um olho na CNN, afinal o pessoal da Globo e Band só acaba. Pior seria se chamassem o Galvão Bueno, o pior narrador do Brasil. Provável que ele diria que é o funeral da Madonna, do jeito que ele se confunde habitualmente.

E hoje, uau. Já havia uma grande expectativa, fãs e mais fãs reclamando que isso viraria um circo. Francamente não acredito, acredito que todos queríamos prestar uma última homenagem ao Michael Jackson e foi em grande estilo - até diria meio pequeno, Michael merecia mais. O mundo hoje parou novamente, e voltaremos a nossa programação (a)normal em breve. Como muitos chorei, não deu pra segurar, e olha que eu sou um macho muito cavalo mesmo. Chorei quando John Mayer tocou Human Nature, quando Jermaine cantou Smile que é uma das músicas mais lindas que já ouvi na vida (de Charlie Chaplin! Michael também gravou pro HIStory, seu álbum de 1995) e nas declarações finais tentei me conter.

Até que chegou ela, afinal os filhos de Michael raramente apareciam em público, e fiquei abismado em ver o tamanho de todos! Blanket, o mais novinho eu vi ele sendo balançado naquele famoso dia, e o garoto já estava daquele tamanho!

Paris resolveu falar, na hora em que todos esperavam Janet, depois de Brooke Shields ter nos emocionado, Stevie Wonder mostrado suas condolências, veio a filha do meio do Astro, com onze anos. E com três frases me arrancou lágrimas como poucos conseguiram.

Pensei na pena, pensei na tristeza daquela família que tinha perdido não apenas aquele que os levou até onde chegaram, mas seu pai, um membro de sua família querido. Pensei no homem Michael que foi tão importante para o mundo, não apenas o cantor, mas o que ele levava a vida das pessoas, o quanto ele era importante para seus fãs, e sei lá.

Tou me recompondo ainda. Chorei desesperadamente como raríssimas vezes que chorei na vida. E pra variar, ninguém do meu lado, mas isso não é novidade.

Paris Jackson, não vou dizer pra não chorar. Sua dor não é comparável a de ninguém, você perdeu um pai, uma pessoa que todos falavam mal e você sabia que tipo de pessoa realmente era. Tentou dar suas últimas palavras, foi até o fim. Só tenho a dizer que chore, mas chore mesmo. Mas não fica assim que sempre terá o dia de amanhã, não importa o quão ruim estejam as coisas.

Chore e descarregue um pouco dessa sua tristeza. Não apenas você perdeu, mas o mundo inteiro perdeu e provável que o mundo inteiro, assim como eu, chorou junto de uma menina que com apenas onze anos, uma vida inteira pela frente que com apenas essas poucas palavras comoveram o mundo inteiro.

"Só queria dizer que, desde que eu nasci, o papai foi o melhor pai que eu poderia imaginar. Só queria dizer que eu te amo tanto"...

Nós te amamos, Michael. E pela última vez, vá em paz.

1 comentários:

Cris disse...

você é tão lindo, chorou vendo o Michael!
Agora chega Alain, vamos enterrar o morto e continuar a vida. Chega de lágrimas!
Bjo

Postar um comentário

Arquivos do blog