domingo, 22 de novembro de 2009

Subaru & Hokuto se encontram!


A Manu me mostra como sou desnaturado com quem não devo ser. Me sinto péssimo, ela é minha amiga mais sincera sem dúvida, me acompanha e me conhece há tanto tempo já, e mesmo depois de tanto tempo sem contato ainda me trata do mesmo jeito como desde quando nos tornamos amigos. Conhece (quase) todos os podres da minha vida, mas é ao mesmo tempo íntegra o suficiente pra não contar pra ninguém aqueles segredos mais contraditórios, hehe!

Conheci ela no Ragnarok quando uma vez passeava calmamente com meu sábio por Glast Heim e vi uma noviça lá, cherryflower, e começamos a bater papo, MSN e pessoalmente. Fazia anos que não vinha pra São Paulo, e a notícia que ela viria me deixou extremamente feliz há umas semanas.

Porém devido aos acontecimentos recentes pensei que dessa vez não iria encontrá-la. Mas aí ela ligou e não tive escolha, oras. Pensei que ela poderia me dar uma animadinha mas foi bem além disso. A Manu é como uma irmãzinha pra mim (não apenas pelo tamanho, hahaha.. Brincadeira!), mas pela sua similariedade comigo quando diz respeito às personalidades é quase uma irmã gêmea, sinto-me como se fosse um Subaru sendo paparicado pela Hokuto (quem não sabe são dois personagens do mangá da Clamp entitulado Tokyo Babylon, um dos meus favoritos).

A Manu é uma das pessoas que talvez por estar ligada a um passado tão distante meu, é a pessoa que quando a encontro eu recupero muito da minha essência. Volto muito a ser quem eu era antes de ficar rígido e frio quando entrei na faculdade, antes das picuinhas, do meu braço direito ter sido ferrado, das tentativas de suicídio e tudo mais. De um tempo de intensa felicidade e fraternidade, uma pessoa que eu confio plenamente e alguém que sinto-me muito bem quando fico ao lado.

Amizade mesmo cara. Mesmo que ela more realmente distante é alguém louvável. E isso porque eu não falo isso de ninguém, heim! Até hoje ela diz que um dos maiores presentes de aniversário dela foi uma vez que eu há muito tempo dediquei um post no aniversário dela para ela. Não sei se isso significa muito monetariamente, mas foi a maneira que eu tive para homenagear.

Conversar com a Manu é sempre bom. Eu que sou o amigo mais desnaturado do mundo, que esquece as pessoas que é importante, fazendo isso inconscientemente na grande maioria das vezes. Mas aí vejo que tem pessoas que não consigo viver sem mesmo, amigos de valor que morarão pra sempre no meu coração.

E ainda trocamos presentes, lol! Dei um Angeling e ela me deu dois pares de hashis (palitinhos de comer japoneses) de inox. Disse que um par era meu, e o próximo é pra comer com próxima japonesa que eu pegar (sem duplo sentido, filhos duma égua ¬¬), hahahaha! Diga-se de passagem enquanto passeavamos na Liberdade ela me achou a atenção umas seis vezes só pra falar de algumas asiáticas bonitas que tavam passando. Entre elas a bonitona lá de uma loja de mangá no segundo andar do Sogo. Quase que consegue até o telefone dela pra mim, pelos deuses!

Manu também é impagável.
Amo!


Existem coisas que só encontramos no fundo do poço
É preciso chegar lá para entende-las. Rejeitar tudo que é belo e limpo
Somente quando estamos com a alma suja é que começamos a dar valor às coisas belas
Toda dor precisa de carinho
Toda sombra precisa de luz para existir
Não há nada que seja desprezivel, você pode tirar proveito de tudo.
Por isso, mesmo que você erre o caminho, não pense que foi inútil.
Apenas seja confiante e acredite que nada foi a toa
Tudo que passou sempre pode te fortalecer
(06/07/2007) 

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog