quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Ainda ontem, chorei de saudade...


Como meu blog é um espaço pessoal, nada como falar disso que dificilmente eu expus aqui.

Próximo dia 12 termina meu estágio na ONG Projeto Arrastão. Não porque acabou o contrato, mas porque foi uma decisão minha de não querer mais. Não estava vendo perspectivas de crescimento pra mim, além de ter uma ética lá um tanto rígida pros funcionários. Enfim, tive lá meus impecilhos com o local, mas semana que vem termina.

Hoje saí mais cedo por causa de uma consulta ao médico. Sinceramente, muitos dos amigos e bons companheiros que fiz lá sequer sabem da minha saída, e quero manter assim durante um tempo, sem eles saberem. Os mais próximos de mim já estão demonstrando um clima muito triste com a minha partida, e isso está me matando aos poucos. Sério. Odeio climas melancólicos.

No caminho ao médico não aguentei, meus olhos lacrimejaram muito, muito mesmo. Alguém já me viu chorar? Dificilmente até eu demonstro estar triste mesmo quando estou passando por apuros. Mas fazia tempo que não sentia essa coisa que estou sentindo nesse exato momento: esse sentimento de profunda tristeza que abala meu coração.

Me apego muito fácil às pessoas, tanto as que me tratam bem, as que rola uma química e as que até me dão patadas. Foram cinco meses de intenso trabalho é verdade, de deslizes e de êxitos. Vendo esse crachá, resolvi tirar uma foto pra deixar de lembrança - que embora tenham lá suas memórias ruins, em geral são ótimas lembranças.

Deus, quando pedi que me abençoasse nesse emprego, no dia que antecedeu o primeiro dia de trabalho, não esperava tantas bençãos, vou ser sincero. A começar pela minha tumultuosa entrada, onde no processo seletivo eu perdi pro Felipe Sanchez, que estuda na mesma sala que eu. E mesmo assim, apenas na entrevista eu ter conseguido cativar as pessoas com meu jeitão bobão, sincero e engraçado, a ponto delas criarem até o hino "Contrata o Alain! Contrata o Alain!"...

Eu duvido um pouco que isso era verdade, enfim. =P
No final ele não aceitou e foi pra segunda opção. Advinha quem?

Depois o fato de com meu primeiro salário ter comprado o ingresso pro Dir en Grey, o melhor show da minha vida, no Maquinaria, cara. Tem coisa mais especial que isso? Isso sem contar que nessa época já estava namorando - terminou é verdade, mas era uma japonesa, muito bonita, e que nosso tempo feliz juntos levarei como boas recordações pra sempre. Grande garota, Erica.

E que venham outras! hahaha... Japonesas ou não, quem sabe?

E essas e outras pessoas especiais que durante o trajeto até pegar o ônibus fiquei relembrando. Aí veio as lágrimas, né? Hahahaha... Eu sou um inútil mesmo. Quando pedi bençãos, não esperava que fosse TANTAS! Citando quem eu lembro, depois vou editando e pondo mais:

  • Jessica, a cabeçuda e a maior, melhor e grandiosa amiga;
  • Marta, a baiana ariana mais calma que já vi na Terra!;
  • Gabizinha, que se tornou minha confidente e amante dos cachorrinhos!
  • Henrique, o psicólogo que tinha ataques psicopatas;
  • Thiago Vinícius, o revoltado que virei fã de carteirinha;
  • Thamara, a menina da comunicação e publicitária, hahaha;
  • Tony e Diego do Maré, os jornalistas dos jovens;
  • Cícera, a faxineira mais comédia que já vi na vida!
  • Adriana, a chefona mais comédia também que já vi na vida!
  • Paulinha do "espiiiiirito santo", moradora próxima do Disk-Jú;
Sou um manteiga derretida mesmo, já estou em prantos aqui.
Tenho medo do dia 12. Sou péssimo com despedidas.

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog