sexta-feira, 23 de junho de 2017

Amber #61 - Quando o mágico pede para desaparecer.

10 de setembro de 1939
20h10

Hermann Weigl era um jovem de dezoito anos. Era também um dos muitos que pareciam ser o estandarte da nova juventude nazista que estava nascendo naquela época. Weigl era um bom garoto, apenas estava seguindo a ideologia errada. Muito obediente, conquistou seu espaço na SD depois de se destacar durante vários anos consecutivos na Juventude Hitlerista, a Hitlerjugend, um braço nazista para cultivar os preceitos de Adolf Hitler com a juventude da época, criando pessoas centradas no ideal da nacional-socialista.

Já estava tarde da noite daquele dia, e muitas pessoas já haviam deixado o escritório da SD. Porém Weigl ainda tinha muita papelada pra organizar, e decidiu ficar até um pouco mais tarde. Seus pais, embora fossem alemães e completamente arianos, não concordavam em ver o filho servindo tão próximo ao regime. Seus pais eram um dos muitos cidadãos alemães que foram obrigados a se calar do que falar algo contra Adolf Hitler.

Afinal o custo de uma opinião no meio de uma ditadura em geral é a própria vida.

“Weigl? Você ainda tá aqui?”.

O jovem Weigl no fundo tinha um bom coração. Talvez de tanto ter sofrido lavagem cerebral pelos discursos recheados de caretas de Adolf Hitler ele tenha criado uma visão distorcida, mas incrivelmente pura, do ideal do Führer. Ele não conseguia fazer mal a ninguém. Mas não acreditava que matar ou espancar judeus fosse errado, afinal, eles não eram dignos de serem chamados de humanos. Mas o fato de achar estar correto lhe fazia impedir de ver o quão terrível era aquela visão de mundo. Weigl não tinha um mal puramente calculista no coração como tantos outros chefões nazistas. Ele era uma dessas pessoas que estava tão impregnada com as leituras da autobiografia de Hitler, o Mein Kampf, que acreditava que aqueles conceitos de supremacia ariana que estava escrito lá eram verdade. E não via mal nenhum nisso.

“Coronel Briegel?!”, disse Weigl assustado. Ele tinha uma imensa admiração por Briegel, mas nem tinha ideia dos planos de Briegel de derrubar Hitler ou suas ideias anti-nazistas, “Pensei que o senhor já havia voltado! O que o senhor tá fazendo aqui?”.

“Sim, na verdade já estava de saída já”, disse Briegel se aproximando da mesa de Weigl, “Muita papelada?”.

“Sim, muita”, disse Weigl. Os dois ficaram em silêncio por alguns segundos, e Weigl avançou na conversa ao mesmo tempo que Briegel: “O senhor pod--“.

Totalmente sem jeito depois de ter falado ao mesmo tempo que Weigl, Briegel gentilmente pediu pra ele prosseguir, gesticulando com a palma da mão.

“Por favor, diga Weigl. Você primeiro”, disse Briegel, cordialmente.

Weigl idolatrava Briegel. Ouvia as histórias, o jeito que ele sobreviveu em Guernica, as façanhas heroicas, e nunca conseguia ver que debaixo de todo aquele endeusamento que ele dirigia ao Briegel havia uma pessoa de carne e osso. Com todas as virtudes, defeitos, e sem nenhum daqueles atos fantásticos que ele havia ouvido de boatos. Embora Briegel desmentisse tudo, o garoto via Briegel com a certeza de na sua frente ver um ser em apoteose. Um ser humano que desafiava até mesmo os deuses.

“Eu fiz uma carta”, disse Weigl, tirando da gaveta, “Fiz especialmente pra Liesl. Será que o senhor poderia entregar e ela?”, ao mostrar a carta pra Briegel, Weigl estava com as mãos tremendo.

Briegel pegou a carta e colocou no bolso. Ele gostava de Weigl, afinal era um garoto gentil e trabalhador. Não parecia gostar de brigas, e tinha um futuro extremamente promissor. Só havia um problema que mudava tudo: Liesl era metade judia. Embora Briegel houvesse tomado todos os cuidados para que Liesl mudasse de nome para não levantar suspeitas, era claro que esse sentimento que Weigl sentia por Liesl era um amor impossível. Porém, Weigl do jeito que era fiel aos ideais nazistas, nunca poderia nem imaginar que Liesl era metade judia. Jamais. Se talvez ele não fosse um desses “estandartes da juventude nazista” como era estampado no seu rosto, sem dúvida Briegel daria a maior força para que ele ficasse com Liesl. Ela já era uma mulher, e merecia um cara como ele – tirando o fato de ser nazista, claro.

“Tudo bem, eu entrego sim”, mentiu Briegel. Ele sabia que Liesl sabia que Weigl tinha sentimentos por ela, mas ela própria sempre pediu pra Briegel a proteger dele, já que naquela época dificilmente uma pessoa declararia os sentimentos em algo não arranjado por pessoas mais velhas, “Então eu gostaria de aproveitar e te pedir um favor também”.

Weigl abriu um sorriso de bochecha a bochecha. Ele sempre sonhou em ser útil para o cara que lhe havia ensinado tudo. É verdade que Weigl era um dos muitos agentes que haviam recebido o treinamento de Briegel e Schultz. O que nenhum deles sabia era que o que Briegel e Schultz os ensinou era algo bem superficial, nem mesmo 10% da capacidade de um agente da Inteligência que os dois amigos tinham. Era uma forma de passar o tempo sem criar agentes muito qualificados trabalhando em prol do Terceiro Reich. Para as pessoas de fora eles eram a nata da Inteligência. Mas para Briegel e Schultz eram piores que muitos iniciantes na arte da espionagem.

“Weigl, eu preciso que você me faça um favor, uma coisa que só você é capaz de fazer”, pediu Briegel. A reação de Weigl era um misto de surpresa com determinação em fazer qualquer coisa que seu ídolo pedisse. Briegel depois prosseguiu: “Preciso que você me faça desaparecer do mapa”.

0 comentários:

Postar um comentário

Arquivos do blog